Resumo

Corre-corre, não me chega o tempo. A semana ainda nem vai a meio, mas que já promete - oh se promete. Pelo menos acabará em grande estilo... Só nestes dois dias, mais uma entrevista, agora apelidada já de "conversa", mais telefonemas, proposta detalhada prometida até final da semana - God bless. E, entretanto, conversas com estes e aqueles, a afinar as estratégias que me permitirão aceitar a proposta, desde que corresponda às expectativas, porque, concretizando-se - e não parece que vá falhar -, tem de estar tudo a postos. Remata hoje com jantar de família. Ontem, o fim dos trabalhos manuais para compôr um poster a pedido da educadora para a festa do colégio - e chego à conclusão que cartolinas, recortes e colagens ficam muito bem até ao fim da primária, mas já não é coisa para gente graúda, sobretudo se tem verniz nas unhas e/ou algum brio naquilo que produz. E depois o dia de festa no colégio, com o miúdo todo orgulhoso do diploma que recebeu (acabou o Jardim de Infância), das músicas que cantou em coro com os outros, da apresentação do karaté - e dele próprio em geral. Foi bom. Cansativo, um calor que não lembra, sobe e desce durante horas - mas foi bom. Antes ainda, uma passagem de urgência por casa da irmã caçula, para acudir a uma queimadura, o que me devolveu a casa já depois da meia noite, com séculos de voltas para estacionar, e a verdadeira moca de sono, como já não tinha há muito. Depois, uma surpresa desagradável que antecipa um penoso dia passado numa das nossas maravilhosas instituições públicas, para (graciosamente) reclamar da sua incompetência e, identificando e provando o erro, esperar que seja rapidamente resolvido. E, ainda, uma outra surpresa, mas não propriamente má, ou não completamente má (não há prognóstico antes do jogo), que me levará a uma festa na 6ª feira com um estranho epíteto na lapela (ou será na testa?): vou como "the most interesting single friend" de uma das convidadas, condição inegociável para que ela própria possa ir. É. Um pouco weird, eu sei. Mas não fica por aqui, pois o dress code é... "Disco". Pensando bem, e tentando imaginar o que raio vestir, acabo por perceber - a festa seria um fracasso se não garantissem pessoas mesmo interessantes (e tento focar-me neste epíteto para digerir a escolha a nível pessoal), porque, let's face it: who the hell survives the disco look??



2 comentários:

Bípede Falante disse...

Nossa,guria, quanto agitação e ainda uma festa disco por vir. Eu imagino qualquer coisa como os embalos de sábado a noite ou dancing days (para usar uma referência brasileira ainda que em inglês).
Beijoss

Princesa (Des)encantada disse...

É Bípede, muita agitação. E não só exterior, não só corre-corre e festa Disco. Estes são dias bastante pesados.
Beijos